Notícias

Vigilância ambiental orienta sobre focos e proliferação do Aedes Aegypti

08/04/2021

Nesta quarta-feira (07) a equipe da Vigilância Ambiental promoveu ações de orientação em  alguns pontos estratégicos de proliferação do Aedes Aegypti, mosquito que transmite a dengue e a febre amarela. A ação é feita a cada 15 dias em locais em que há situações de risco para a reprodução do mosquito, por possuírem materiais ou estruturas para o acúmulo de água, como borracharias, comércio de peças e desmanches.

 

“Nós estamos encontrando muitas larvas nos pontos estratégicos. Então, a gente começou a intensificar as orientações, para que os proprietários acompanhem e verifiquem quais são os potenciais criadouros e quais são os cuidados” diz Suzana de Souza, Chefe da Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal da Saúde.

 

Segundo Suzana, alguns criadouros não podem ser removidos, então é feito uma orientação para que o proprietário utilize o cloro para fazer o tratamento da água que fica parada. “Nós fizemos uma ação hoje, onde há um tanque cheio  de água e que faz  parte da rotina de trabalho  e que só é esvaziado uma vez por semana. Aquela água fica toda parada ali. Então, nós orientamos para que seja feito o tratamento com o cloro, mas em outros casos, é recomendado uso de larvicida, contou Suzana,

 

Bairros com mais foco

Os bairros onde foram encontrados mais focos do mosquito são o Vila Bela e Vila dos Brasileiros, em Entre Rios. O trabalho de mapeamento dos focos é feito pelo Centro de Estudos e Planejamento Urbano de Guarapuava (Ceplug).

 

Os últimos levantamentos feitos pela Secretária da Saúde, mostraram que de janeiro a março foram encontrados 61 focos com larvas do mosquito. Durante todo ano de 2020 foram registrados 87 focos, o que torna preocupante que, nos primeiros três meses de 2021, esse registro já seja de 61 casos. Um aumento bastante significativo e preocupante.

 

A população deve redobrar a vigilância e ter mais atenção aos procedimentos que já deveriam estar incorporados à rotina de todo cidadão. É importante que cada morador cuide do seu quintal retirando objetos que possam acumular água e, se apresentar sintomas da enfermidade, buscar a unidade de saúde mais próxima.

 

Denúncias

Denúncias sobre possíveis focos de dengue podem ser feitas pelo canal da ouvidoria, no número 156.