Notícias

Todo cuidado ainda é pouco

07/06/2021

No comércio, na rua, no ônibus, onde há mais de uma pessoa, sem proteção  (máscara ou que abra mão do uso do  álcool gel ou álcool  70), há o risco de contaminação.

 

As despretensiosas reuniões de família com cinco ou até com menos pessoas – se houver apenas um contaminado e as outras pessoas não estiverem protegidas -, o risco de contagio é igual a qualquer outra aglomeração com mais gente. O contágio independe do número de pessoas. Onde houver uma pessoa contaminada, as demais também correm o risco de contaminação se não estiverem protegidas.

 

Se em sua casa há alguém positivado, é preciso isolar não só a área destinada à  pessoa contaminada, mas também  higienizar todos os utensílios domésticos, e se possível manter a pessoa contaminada em um cômodo restrito. O contato com os outros moradores, só deve ser feito obedecendo todo o protocolo sanitário proposto. Apenas uma pessoa deve fazer contato com o contaminado, desde que devidamente protegida. Todos moradores devem respeitar o período de quarentena, mesmo que não apresentem sintomas da doença. Se houver necessidade de sair, para compra de medicamentos ou alimentos, uma única pessoa deve ter esta função, mas devidamente protegida com máscara.

 

Há relatos de registro de contaminação de apenas uma pessoa dentro de casa, e a intenção de proteger a criança da família é afastando a criança de casa, mandando para a casa dos avós ou tios , por exemplo,  o que não é recomendável, porque a criança pode ser agente de circulação do vírus, mesmo sem apresentar os sintomas da doença.

 

Em residência onde as pessoas são obrigadas a dividir o mesmo espaço, a recomendação é para que as janelas estejam todas abertas e evitar o máximo de compartilhamento com o mínimo de aproximação, e destinar  objetos e utensílios domésticos específicos para quem estiver contaminado.

 

É direito do cidadão fazer a  quarentena isolado em casa. É  dever de todos, patrões e empregados, respeitarem os protocolos sanitários que a pandemia da Covid-19 exige.