Notícias

Prevenção: um ato de amor por si mesma que permite o diagnóstico precoce 

19/10/2021

Alexsandra dos Santos tem 35 anos e descobriu o câncer de mama em agosto de 2020. Ela não teve sintomas, mas percebeu uma alteração na mama ao fazer o autoexame. Devido a suspeita, a guarapuavana procurou imediatamente ajuda médica em uma Unidade de Saúde, onde recebeu o encaminhamento para fazer a biópsia (retirada de amostra de tecidos ou células para estudo em laboratório) e ser acompanhada pela equipe da Clínica da Mulher. 

 

Na clínica, com a confirmação do diagnóstico, foram dados os primeiros passos do tratamento. Depois, a assistente administrativa realizou algumas sessões de quimioterapia, a cirurgia para a retirada do tumor e algumas sessões de radioterapia. De acordo Alexsandra, o diagnóstico precoce e o autocuidado fizeram toda diferença nesse caminho até a cura.

 

“Se tem alguma coisa diferente no seu corpo procure orientação, procure um médico. Não fique esperando, porque o quanto mais rápido você localizar, sentir e tratar, mais chances de cura você tem”, afirma. 

 

OUTUBRO ROSA

Em Guarapuava, entre as ações previstas para o Outubro Rosa, mês de  conscientização sobre a prevenção do câncer de mama e do câncer de colo de útero, está a realização de exames preventivos e de mamografia em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) com agendamento prévio. 

 

O compromisso com a própria saúde é um dos temas da campanha que busca incentivar as mulheres a procurarem fazer exames de forma periódica. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, em Guarapuava, três a cada dez mulheres agendam exames de mamografia e preventivo e não comparecem no dia marcado e quatro a cada dez mulheres fazem o exame e não voltam para buscar o resultado

 

A pandemia também afetou esse atendimento provocando queda da demanda, mesmo assim, atualmente, cerca de 300 mulheres são acompanhadas pela Clínica da Mulher. Helen Magna, de 28 anos, é uma delas. A jovem conta que sempre realiza seus exames periodicamente e, nesse período, não deixou de fazer as consultas. Graças a isso, detectou uma alteração no colo de útero. 

 

O diagnóstico precoce facilitou o tratamento realizado no setor de Oncologia do Hospital São Vicente. Foi necessária uma cirurgia para retirar uma parte do útero.  “Eu não tive sintomas, como cólicas e corrimentos, não senti absolutamente nada. Se não fosse pelo preventivo, eu não iria descobrir a tempo e, provavelmente, teria mais dificuldades para tratá-lo”, conta Helen.

 

Helen também acredita que realizar os exames preventivos é um ato de amor próprio. Agora, durante três anos precisará fazer acompanhamento e exames periódicos de seis em seis meses. 

 

Girce Cesca tem 54 anos e também recebeu o diagnóstico de câncer de colo do útero durante a pandemia. Mesmo em período de distanciamento, o exame preventivo não foi adiado. Ela realizou a cirurgia de retirada do útero no mês passado e ainda está em tratamento, mas considera-se vitoriosa por não precisar passar por nenhum procedimento agressivo.

 

“Você precisa procurar ajuda o quanto antes, não pode esquecer nenhum minuto de você. Não tem como deixar para depois”, declarou. 

 

EXAMES

 

O exame preventivo deve ser realizado a partir de 21 anos. A recomendação é que se repita todos os anos. Já o exame de mamografia deve ser feito por mulheres que tenham a partir dos 50 anos, segundo recomendação do Ministério da Saúde, ou mulheres acima de 40 que tenham histórico na família.