Notícias

Matriz de Risco atinge 9 pontos no sistema de bandeiramento e acende alerta

20/08/2021

No mês de junho, Guarapuava adotou o sistema de bandeiramento para definir as medidas de enfrentamento ao coronavírus. Desde então, a Matriz de Risco apresentou significa redução na pontuação, levando ao estabelecimento da bandeira amarela. Mas, devido ao aumento do número de contaminações e óbitos registrados na última semana epidemiológica, em comparação com a anterior, nesta sexta-feira (20), a matriz chegou aos 9 pontos, ficando no limite para a mudança de bandeira. Isso indica que o risco de contaminação pelo coronavírus permanece se a população deixar as medidas preventivas de lado.

 

De acordo com a Secretaria de Saúde, na última semana epidemiológica foi registrado um aumento de mais de 20% dos casos e um crescimento de óbitos superior a 5%, comparada à semana anterior.

 

“A matriz também é baseada na ocupação hospitalar, tanto de quartos de enfermaria quanto de UTI, que apresentou crescimento nos últimos dias. Todos esses números contribuíram para a elevação dos índices, e servem de alerta para mantermos os cuidados e evitarmos a adoção de medidas mais restritivas”, explica Jonilson Pires, secretário de Saúde.

 

Para o secretário de Saúde Jonilson Pires, a participação da população na manutenção das bandeiras é primordial. Ele reafirmou a necessidade de cada indivíduo manter as regras de distanciamento e medidas de segurança, para que o cenário não surpreenda novamente, repercutindo em toda a rede de assistência à saúde no município.

 

“Sabemos que as pessoas já estão cansadas desse longo período de restrições. Mas infelizmente o vírus não cansou. E precisamos manter os cuidados de prevenção, com uso de máscaras, higienização constante das mãos, distanciamento social e ventilação adequada. Com o aumento do índice de vacinados, estamos cada vez mais perto de vencermos esta etapa, mas não vamos descuidar”, salientou o secretário.

 

De acordo com o Boletim Epidemiológico desta sexta-feira (20), 354 casos de covid-19 permanecem ativos na cidade.

 

Zenir e a filha, Emily, tomaram a segunda dose da vacina contra a covid-19 e dizem que cuidados de prevenção não vão mudar.

 

Campanha de Vacinação

Além dos cuidados de higiene e prevenção, a imunização é determinante para reduzir a contaminação e, principalmente, o agravamento dos casos. Mas ela precisa ser completa, com as duas doses da vacina.

 

“A gente sabe que com segunda dose a eficácia da vacina vai ser maior, né? Então não adianta eu vim tomar a primeira dose, ficar com uma porcentagem de 50% de imunização e achar que não precisa mais, não vou estar protegida”, ressaltou Emily.

 

A mãe de Emily, Zenir, recebeu a segunda dose junto com a filha e contou que apesar de todos da família já terem tomado a primeira dose, nada mudou nas regras familiares. “Nós continuamos com os mesmos cuidados, é como se ninguém tivesse tomado a vacina lá em casa. Todo mundo respeitando o isolamento social, até porque nem poderíamos tomar a segunda dose caso alguém fosse infectado. Então, continua tudo do mesmo jeito”, comentou Zenir.

 

Além das duas doses da vacina, para o controle da pandemia, é necessário que a maior parte da população tenha aderido à campanha de vacinação, o que evita mais óbitos ao diminuir os riscos de agravamento da doença.